Banner topo


COLUNISTAS - Antonio Macêdo Filho

Projeto integrado e sustentabilidade: Compartilhando o conhecimento por melhores resultados



Tenho comentado em minhas aulas e consultorias para sustentabilidade que, do meu ponto de vista, os conceitos fundamentais deste início de século são: compartilhamento e integração. O mundo segue por um caminho através do qual o crescimento se dará pela aplicação prática destes conceitos.

Estes são também os pilares fundamentais do processo que envolve os projetos integrados e representam o melhor caminho para se chegar à sustentabilidade. Os agentes do processo de projetos devem ter em mente que o compartilhamento do conhecimento e das experiências entre todos os envolvidos são condições necessárias para se alcançar os melhores resultados possíveis.

A ideia de possuir linearidade no processo de produção de uma edificação (proprietário, arquiteto, engenheiros, construção e ocupação) que sempre norteou a atividade de construir, deve ser substituída pelo conceito dos ciclos e da multi-direcionalidade do processo de produção dos projetos.

Nesta recente etapa, ideias novas podem e devem surgir de diferentes pontas da rede. Devem ser expostas à avaliação coletiva e analisadas sob diferentes aspectos. Devem ser comparadas, questionadas – ou até testadas –, passar por diferentes crivos para que, uma vez aprovadas, possam, então, ter mais consistência e, certamente, maior índice de acerto do que teriam se resultassem apenas do esforço ou brilhantismo de uma única mente criativa.

O time e o campeonato

Para que um processo de projeto integrado funcione bem, a figura do gestor é de grande importância. Um líder, alguém com habilidade e credibilidade suficientes para fazer todos se comprometerem com os objetivos de cada projeto. E ele não deve limitar, muito pelo contrário, deve estimular a participação dos diversos agentes ao longo do processo, de maneira coordenada.

Por outro lado, é importante que todos os membros da equipe de projetos entendam claramente – usando uma analogia com o esporte que nos é muito próxima – que todos jogam no mesmo time, cada um em sua posição de especialidade. Deve ser claro que existe um “técnico do time”, que tem um plano tático de jogo e que todos têm uma meta clara e objetiva: o gol. E isso, certamente, requer o comprometimento de todos.

Naturalmente, também é fundamental o envolvimento direto do “presidente do clube”, ou o proprietário, a quem todos prestam contas. Este, por sua vez, deve valorizar os membros da equipe e lhes dar condições para desenvolver seus trabalhos com remuneração e prazos adequados, para que possam realizar as pesquisas, consultas, investigações e levantamentos, com todo suporte técnico que se faça necessário, em função da meta que se pretenda alcançar. É um cenário novo para muitos e ainda raro em nosso País.

“Built as designed”

No Brasil, todos conhecemos o famoso recurso do “as built”, ferramenta necessária para colocar no projeto o que foi efetivamente executado, já que normalmente é algo que não coincide com o que havia sido originalmente projetado.

Descobri, em visitas a alguns dos maiores e mais renomados escritórios de projetos do mundo, que tal expressão é uma particularidade da realidade brasileira. Não existe “as built” no mundo civilizado. Perde-se muito: tempo, recursos, qualidade e produtividade com projetos mal feitos, ou pior, até com obras feitas sem projeto. Todos perdem. O País perde.

Mas por que, afinal, os projetos não são feitos de maneira que não precisemos fazer “as built” de quase tudo? Por que não somos capazes de prever as interferências que levam a execuções divergentes em relação ao projetado? Que vantagens se obtém de se tocar obras a partir de projetos básicos?

As respostas a estas perguntas estão na base da nossa cultura e podem ser agregadas em um fato: não estamos habituados a lidar com planejamento. O próprio governo estimula a baixa qualidade ao contratar em licitações “projetos básicos” de obras públicas, muitas vezes admitindo projetos pelo critério do menor preço.

É preciso mudar a forma de trabalho. A sustentabilidade se faz com responsabilidade, planejamento e cooperação. A construção sustentável é feita com processos de projetos integrados, completos, coesos e coerentes. Não podemos seguir desenhando “as built”. As coisas devem ser “built as designed” e ponto final.

Arquiteto e urbanista pela UFBA com Master em Arquitetura Bioclimática e Edifícios Inteligentes pela Universidad Politécnica de Madrid; Sócio-diretor da EcoBuilding Consultoria; Coordenador do MBA em Construções Sustentáveis INBEC / UNICID; Country Representative para o Brasil do CTBUH e membro do United Nations Global Compact / RICS Steering Group

Tags: Sustentabilidade; Projeto; Integrado; Equipe; Compartilhamento; Informação

MAIS NOTÍCIAS

02/03/2017 – Data Center Sustentável

Idealizada pelo Pátria Investimentos, primeiro empreendimento da ODATA será inaugurado em março de 2017...

17/02/2017 – Alexandre Brown, diretor da Expo Arquitetura Sustentável, fala sobre o mercado e sobre o evento

Mostra reúne conteúdo relevante e exibe soluções e tendências sustentáveis para todo setor da construção ...

13/02/2017 – Fórum Construção e Arquitetura Sustentável

Conteúdo de palestras retrata desafios e soluções para a sustentabilidade na construção civil e arquitetura no Brasil...

31/10/2016 – Empresas firmam parceria para potencializar soluções sustentáveis em MG

União promete reposicionar Estado no ranking nacional de empreendimentos sustentáveis...

03/10/2016 – Inovação e ecoefiência marcam exposição na FIMAI Ecomondo

Entre os destaques, agência italiana traz empresas do País para mostrar a expertise no tratamento de água e geração de energia por meio resíduos sólidos...

29/09/2016 – Sustentabilidade para resfriar concreto

Com o uso de nitrogênio, processo proporciona redução no uso de água e energia...

28/09/2016 – Sicredi conquista certificação por sustentabilidade em Centro Administrativo

Empresa conquistou a certificação LEED EB O&M Platinum. Este é o primeiro edifício no Brasil e o quarto na América Latina a receber o reconhecimento...

12/09/2016 – Pós em Construções Sustentáveis recebem inscrições

Profissionais da arquitetura e engenharia devem valorizar os novos conceitos e as tendências da sustentabilidade e do meio ambiente. Cursos na FAAP preparam o aluno para esse novo cenário...

08/09/2016 – Centro Sebrae de Sustentabilidade recebe certificação internacional

Edifício situado em Cuiabá conquistou a classificação “Excelente” do BREEAM In-Use, a mais alta em toda a América Latina...

16/08/2016 – Aeroporto RIOgaleão opera com novo sistema de tratamento de água

Águas que apresentam concentrações de óleo acima do permitido devem passar por um tratamento de separação da água e do óleo...

Publicidade | Anuncie

Banner topo

NOTÍCIAS

VÍDEOS

EDIÇÃO DO MÊS

GUIA DE SERVIÇOS

OLHO MÁGICO

NEWSLETTER

Publicidade |Anuncie

Banner botão
Quality Systems - 03/03/2015
Regional Telhas
Sustentech
Rain Bird - 04/05/2015